Cirurgias

Reconstrução do Mamilo e Aréola


Boa parte das pacientes que se submeteram à “mastectomia” (retirada da mama), seja total ou parcial, precisarão também da reconstrução da aréola e do mamilo, caso eles tenham sido distorcidos ou retirados.
 

 

Após 2 a 4 meses do término da reconstrução da nova mama, poderemos dar início à reparação do mamilo e da aréola. Em primeiro lugar, devemos refazer o mamilo. Para isso, duas técnicas podem ser usadas:

 
1- enxerto de tecido que vem do mamilo do lado bom (fig 1).
 
 
 
Nesta técnica, caso se tenha um mamilo saliente do lado bom, poderemos retirar sua metade superior e a enxertar no lado a ser reconstruído. Apesar de parecer um método que nos dará um belo resultado, na verdade estes enxertos “pegam” com muita dificuldade e acabam ficando “achatados”. 
 
2- uso de tecidos da própria região onde o mamilo deve ser reconstruído (fig 2).
 
Fazemos um pequeno desenho na área em que ele será reconstruído. Recortamos ao redor e, através de pontos, montamos o novo mamilo
 
 
Dentre estes métodos, prefiro utilizar o último, pois nos dará um resultado mais seguro em relação ao formato e à projeção do novo mamilo.
 
A aréola, por sua vez, pode ser refeita através de enxerto de pele da virilha ou de enxerto de pele retirado da aréola do lado normal (fig 3).
 
 
Quanto aos enxertos, não podemos ter um controle total dos resultados, pois eles têm uma tendência a apresentarem contraturas cicatriciais e coloração irregular, criando uma aréola que, muitas vezes, tem o aspecto um pouco distorcido e com mais de uma cor.
 
A tatuagem também pode ser utilizada para o desenho da nova aréola e pigmentação do mamilo reconstruído. Apesar de haver um certo desbotamento da cor com o passar dos meses, conseguimos estabilizá-la com 1 ou 2 retoques após a primeira tatuagem e obtemos um resultado muito agradável e satisfatório para as pacientes (fig 4).
 
 

Cadastre seu e-mail para receber artigos e informações sobre cirurgia plástica.

e-mail: cadastrar remover cadastro    OK